sexta-feira, 15 de julho de 2011

Minha primeira vez!

Hoje será minha primeira vez no Blog da ASMA como bloqueira e para começar não quero dizer o quão bem ou mal a maconha faz para um usuário, não quero cair nos clichês que estamos cansados de ver por ai, nem pro lado de quem discorda da legalização, usando termos como “drogas blah” ou o mais clichês de todos “maconha é a porta para drogas mais fortes”, como também não quero usar coisas como “uma erva natural não pode lhe prejudicar” ( Pelo menos não quero usar AINDA).
Quero que levemos em conta somente a política antidrogas aplicada, tente separar seus conceitos e ideologia ao ler esse texto e análise da melhor maneira.
Hoje temos uma política e uma policia com grandes tendências a corrupção, acredito que isso não seja novidade e que ninguém se espante com essa afirmação, por maior que seja a apreensão de maconha em nossas fronteiras, essas ações não chegam a apreender nem 5% da cannabis que entra no nosso país, 80% das pessoas que usam algum tipo de droga ilícita fuma um baseado e a principal questão, a meu ver, é que hoje em dia é mais fácil comprar maconha do que cigarro.
Colocando todos esses pontos claros, jogo na mesa a problemática central. A proibição dessa erva esta sendo funcional? A política adotada esta funcionando para impedir que as pessoas usem drogas? Não galera, não esta funcionando, tem pessoas sendo presas por portarem 2 ou 3 até mesmo 10 basiados, BASEADO em que?
Todo mundo gosta de alterar seu estado de sobriedade, é um médico com seus estimulantes e wisque , os advogados com charutos e sua vodka, o peão com a cerva gelada no bar, a dona de casa com seus calmantes, os traídos com anti-depressivos e se eu não parar agora será uma lista interminável de pessoas ditas corretas, sérias e com seus pudores todos a flor da pele que por algum motivo ou não gosta bastante de alterar seu estado normal com inúmeras drogas licitas sem muitos questionamentos.
Por que toda essa hipocrisia em torno da maconha? Não me ajuda em nada essa limitação de debates a não ser pra matar mais e mais crianças em favelas. A proibição não funcionou a situação das cidades brasileiras nos mostra isso todos os dias nos telejornais que vemos pela manhã ou mesmo a noite.
Pode ser que a regulamentação ou até mesmo a legalização da maconha não traga a solução de todos os nossos problemas assim de bandeja, porém esta claro quem venceu a GUERRA CONTRA AS DROGAS, e essa vitória não foi de governo algum.
Medidas novas causam espanto, medo, mas temos que começar a temer o que realmente é uma ameaça, todos os dias morrem pessoas, pessoas que mal viveram e já chegaram no fim, e não foi porquê fumaram um...
Esta na hora dos debates serem francos e verdadeiros.
Sem Mais
Isabella Santos

domingo, 10 de julho de 2011

Quinta-feira: atividade do DAR debate psicodelia



Haverá transmissão online em  growroom.net/aovivo

“O LSD abriu meus olhos. Se somente usamos uma décima parte de nosso cérebro, imagine o que podemos conseguir usando o resto. Se os políticos usassem LSD, não haveriam mais guerras, pobreza e fome.” Paul Mc Cartney
“A vivência de um perpétuo presente, criado por um apocalipse em contínua transformação”. Aldous Huxley
“Estudar drogas é estudar a sociedade”. Gilberto Velho
“O meu conselho para as pessoas atualmente é o seguinte : se você leva o jogo da vida a sério, se você leva o seu sistema nervoso a sério, se você leva os seus órgãos de sentido a sério, se você leva o processo da energia a sério, você tem que se ligar, sintonizar e cair fora [tune in, turn on and drop out].” Timothy Leary
“Por favor não consumam mais drogas. Somos muitos e sobra pouca.” Lawrence Carnot

E ainda falando da Marcha...

terça-feira, 5 de julho de 2011

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Marcha da Maconha como deve ser sempre, na PAZ...

Cheguei no MASP faltava cinco pra meio dia, o clima era de paz e tranquilidade. Comecei a torcer para a Marcha da Maconha ser assim, até estranhei de começo a grande quantidade de viaturas do outro lado da avenida, mas percebi que era normal pelo tamanho do evento.
Aos poucos foi chegando o pessoal da organização e fizemos uma oficina muito boa no vão livre do MASP, começavam a perguntar se precisávamos de ajuda e faziam vários cartazes, que acabaram sendo um espetáculo a parte com faixas maravilhosas. A criatividade dos maconheiros sempre me surpreende, abaixo tem alguns cartazes que chamaram a atenção.
 Faixa do nosso coletivo - Presença garantida na Marcha da Maconha

Boa diversidade de cartazes e idéias...

Achei essa o máximo... Boa sacada..

"Curtindo" um verdim

Imaginem um basiado desse tamanho!!!

O tráfico é contra legalização, e você?!?!

Existem três tipos de pessoas: as que fumam maconha, as que já fumaram e as que vão fumar..

Respeito, liberdade e não financiar mais o tráfico... Fazem parte das nossas idéias...

Belo trocadilho...

Enfim, uma festa com alegria, com todos se divertindo, se concentrando e na correria para agilizar os últimos detalhes quando chega a hora tão esperada. A hora de ir pra rua, aos gritos de "Eu, sou maconheiros, com muito orgulho, com muito amooor" fomos para a Paulista depois de oito anos conseguimos fazer a marcha de forma legal, depois das Marchas Verde, depois das Marchas da Maconha no Ibirapuera e da última Marcha da Maconha reprimida covardemente pela Tropa de Choque conseguimos gritar pacificamente contra a lei que proíbe o uso da maconha, uma lei retrógrada e sem sentido. Fomos para a rua, gritando e sendo fotografados por centenas de lentes, registando esse momento histórico...
Na frente do Conjunto Nacional marchamos de ré em homenagem ao judiciário paulista e contra a ação covarde da Tropa de Choque na última Marcha da Maconha, descemos a Augusta em festa, contando com a participação até de quem não estava na Marcha, da janela de suas casa as pessoas apareciam acenando, com faixas, fumando um, com desenhos da folha, curtindo com o pessoal a Marcha, mesmo fora dela.
Entramos na Antonio de Queiroz e seguimos até a rua Consolação, sempre chamando muita atenção das pessoas que estavam de fora da Marcha... Quando entramos na Consolação fizemos um minuto de silêncio em homenagem às vítimas da Guerra as Drogas... De lá fomos até a biblioteca Mario de Andrade, onde dispersamos na praça... 
Outra coisa que chama muita atenção são os gritos que a galera chama na Marcha... Desde o mais conhecido e o que mas agita "Eu, sou maconheiro, com muito orgulho, com muito amor", outros puxados na hora e como "Dilma Roussef, legaliza o beck" e o provocativos, que são maravilhosos "Ei polícia, maconha é uma delícia", "Coxinha é que faz mal, maconha é natural", "Polícia que vergonha, seu filho, também fuma maconha", "Polícia sem vergonha, VOCÊ, também fuma maconha" e "Kassab sem vergonha, o busão tá mais caro que a maconha" e inúmeros outros gritos bons também que passaria o dia todo relatando aqui...
Saí de lá satisfeito que minha preocupação inicial foi sem sentido pois, a Marcha da Maconha ocorreu sem maiores problemas... Uma festa, mas uma festa com um motivo que unia a todos que estavam lá, a luta pela legalização da maconha, que está se tornando uma luta consciente e politizada...
A ASMA agradece ao Growroom, ao Coletivo Dar e a todos que ajudaram a organizar e/ou participaram dessa Marcha da Maconha, ano que vem a ASMA vai organizar uma em Guarulhos e contamos com a participação de todos vocês...

Pra encerrar vai um vídeo da Marcha da Maconha na hora da saída: